Como encontrar canais de aquisição de clientes ainda eficazes no momento atual?

Apesar do mundo estar atravessando um período sem precedentes na nossa história (recente ou não), a engrenagem pela qual ele roda ainda continua girando e muitas empresas e negócios precisam se posicionar ou se reinventar de alguma forma.

Porém, esse posicionamento e reinvenção terão pouco efeito se não encontrar os clientes certos no momento certo.

Se muitas empresas se utilizavam de eventos para fazer relacionamento com clientes, hoje  as conferências e experiências de relacionamento digitais aparecem como possíveis alternativas. Se antes as lojas físicas eram a chave do negócio, o crescimento de mais de 145% na abertura de lojas virtuais explica que muita coisa mudou.

Os pontos de contato com seu consumidor mudaram. Algumas mudanças vieram e podem ir quando tudo passar, mas algumas podem ficar por mais tempo.

Por isso, separamos os principais canais de aquisição de clientes que se destacaram nessa pandemia. A ordem não é por destaque, porque cada canal pode fazer sentido para um tipo de negócio diferente e talvez um deles ou a combinação de algum deles também sirva para você.

1. Facebook e Instagram

Com a pandemia e menor oferta de opções para se fazer fora de casa, o consumo de conteúdo de forma geral cresceu muito e, como essas duas redes são gigantes no Brasil (130 e 70 milhões de usuários respectivamente), naturalmente, o tráfego em cada uma também aumentou.

Como muitos anunciantes deixaram de exibir seus produtos, anunciar nessas plataformas ficou ainda mais barato, já que um dos principais fatores de elevação de custo é a concorrência dos vários anunciantes para um grupo específico de pessoas.

Aproveitando que tem muitas pessoas nas redes e menos anunciantes, além de conseguir mais destaque, os valores investidos também podem ser bem menores para alcançar mais pessoas.

Mas vale destacar que essa vantagem competitiva pode durar pouco. Com a retomada de diversos segmentos, os anunciantes estão começando a direcionar os investimentos para essas redes, já muitas delas perderam fôlego para investir em mídias que requerem maiores investimentos como TV aberta, por exemplo.

2. Google Search

A pesquisa do Google foi outro canal que se destacou. Pessoas em casa, mais curiosidade, mais interesse em produtos e temas, mais buscas.

Com menos anunciantes, os custos também ficaram reduzidos e podem fazer muito sentido para sua empresa.

Em termos de negócios, a lógica é ótima: as pessoas que pesquisam por um produto ou serviço, em geral, estão mais próximas de executar uma ação, como a compra desse produto no seu e-commerce, por exemplo.

A grande vantagem aqui é falar com esse público mais “quente”, próximo de realizar uma compra, o que diminuirá os custos de aquisição desses clientes, já que você vai precisar gastar menos dinheiro e energia uma vez que o seu trabalho foi “apenas” aparecer nas buscas de quem já estava procurando pelo seu produto.

O “apenas” vale porque ainda há muito o que fazer como definir corretamente a estratégia de precificação, a distribuição, o prazo de entrega, etc, que é um mundo inteiro à parte.

Para quem investiu em busca orgânica antes ou logo no começo da pandemia está colhendo bons frutos, já que além de aproveitar o aumento das pesquisas, também não está pagando diretamente para receber cliques.

3. E-mail Marketing

Este foi um canal que rapidamente se tornou o protagonista das estratégias de aquisição.

Primeiro que, com o corte nos custos, todos os investimentos que envolviam mídia foram cortados em grande parte. Como o envio dos e-mails está atrelado a ferramentas de disparo, muitas vezes há um custo fixo baixo para disparar um volume muito alto de mensagens.

Segundo que é direto. Você envia para quem faz sentido e sabe para quem está enviando. Quanto mais informações tem sobre a pessoa por trás daquele e-mail, mais assertiva é a comunicação. Por exemplo, se você sabe que aquela pessoa está interessada em um produto X, pode enviar um e-mail falando apenas desse produto X.

Terceiro que é possível medir e otimizar de acordo com as interações. Você pode começar enviando um e-mail falando de todas as suas soluções. Se a pessoa interagiu com uma delas você consegue saber e direcionar o próximo envio.

O melhor? É que dá pra fazer isso de forma automatizada através de ferramentas como HubSpot, SharpSpring, RD Station ou até o MailShimp. Com elas, horas de trabalho são economizadas, inteligência é adicionada ao processo e os resultados têm tornado essa estratégia bastante atrativa.

Há empresas reestruturando suas áreas de marketing e trazendo o time de CRM, que em muitos casos fica isolado em TI, tanto para as reuniões quanto para seu próprio departamento.

4. Twitter Ads

Com a crescente busca por informação, o Twitter, que é uma rede onde muitas notícias aparecem primeiro em função da alta concentração de veículos, jornalistas, personalidades, políticos, começou a se destacar e crescer em volume de audiência.

Com o Twitter Ads, é possível utilizar segmentações bastante parecidas com as do Facebook, com um custo um pouco maior, mas também é possível limitar o investimento com base na sua verba total.

Como muitas pessoas começaram ou intensificaram o consumo de notícias na plataforma, usa-la como meio de atrair novos clientes pode trazer resultados surpreendentes.

5. Parcerias e Collabs

Uma forma de gerar novos clientes é compartilhar. No modelo de parcerias ou collabs (colaborações entre marcas – ou pessoas – diferentes para criação de produtos), as duas marcas se beneficiam de públicos que façam sentido para ambas sem que uma canibalize a outra.

Um bom exemplo de parceria foi a feita pelos cristais Swarovski e estilistas de roupas. Cristais brilhantes não competem diretamente com roupas, mas a combinação dos dois trouxe uma revolução para o mercado da moda e vendeu bilhões de dólares em todo o mundo.

No mundo da moda a colaboração entre varejistas como C&A e celebridades como Beyonce também se provaram muito bem-sucedidas.

A grande vantagem está no mutualismo: a troca benéfica entre as marcas que não competem e geram valor para seus clientes trazendo novas ideias, conteúdo e produtos interessantes com uma redução nos custos de divulgação ou produção, já que cada marca tem seu público e uma parte dele pode migrar para a marca parceira e vice-versa.

Há ainda diversos meios de se aquisição de clientes, citamos alguns destaques para te inspirar nesse momento tão delicado. E você, o que tem feito para manter seus clientes sempre em contato?

Se vídeos estiverem entre suas estratégias para esses canais, pode contar com a gente! 😉

Receba nossos artigos!
Nós respeitamos sua privacidade.